49

por

Trata-se de uma técnica utilizada para o alívio da dor durante o trabalho de parto e parto.

Consiste na introdução de um cateter na coluna (zona lombar), através do qual é administrada a anestesia.

Este procedimento não é, normalmente, doloroso para a grávida pois antes é administrada anestesia local.

Neste procedimento a sua colaboração é preciosa.

No final, ficará apenas o cateter sem qualquer agulha.

Após a analgesia, as contracções do útero e o trabalho de parto continuam a evoluir mas sem dor. Quando for necessário as doses de analgesia serão reforçadas.

A sensibilidade nas pernas não é perdida totalmente, pode sentir apenas um formigueiro. Poderá sentir alguns efeitos secundários como comichão no corpo, sonolência.

A quantidade de anestésico local que chega ao bebé através da corrente sanguínea é mínima e sem consequências.

 

Desaconselha-se a analgesia epidural:

  • no caso da grávida recusar a sua administração;
  • infecção de pele no local da picada;
  • alterações de coagulação;
  • algumas doenças neurológicas.
Psicóloga Clínica (ISCS-N). Mestre em Aconselhamento Dinâmico (ISMT). Psicodramatista (SPPPG). Instrutora de Massagem Infantil (APMI-IAIM). Instrutora de Massagem nas Escolas (AME-MISP). Formação em Vinculação e Psicopatologia. Docente do Ensino Superior. Orientadora / co-orientadora de teses de licenciatura e orientadora de estágios em Psicologia. Formação em Língua Gestual Portuguesa - nível I.

Latest posts by Helena Eiro Ferreira (see all)