hero_img

por

Depois de leituras de revistas e livros e enciclopédias do bebé e de almanaques e etc, depois de todas as dúvidas tiradas com o ginecologista, depois de aulas de preparação para o parto, depois de uma série de preparações para a vinda do bebé… aqui está ele!

Tinha tudo corrido tão bem nas leituras, nas consultas, nas aulas… parecíamos ter entendido tudo tão bem… porque se torna tudo agora tão difícil afinal?

Os pais irão deparar-se com algumas dúvidas que os deixarão mais angustiados e preocupados. Calma! Pode ser normal. Pode não ser motivo para correr em direcção ao médico. Muitas das alterações no bebé são perfeitamente normais e resumem-se à imaturidade e adaptação do recém-nascido ao meio fora do útero materno.

  • Bolça o leite – Muitas vezes depois de comer, o bebé deita fora uma pequena quantidade de leite. Este acontecimento deve-se, na maioria dos casos, a imaturidade do sistema digestivo do bebé (mais propriamente à imaturidade da válvula que impede que o conteúdo do estômago volte para a boca). Isto acontece muitas vezes quando o bebé come demasiado (a pressão no estômago aumenta e faz com que a válvula se abra permitindo a passagem do leite para a boca). Não se preocupe porque na maioria dos casos este problema desaparece ao fim do primeiro ano de vida, no entanto comunique ao seu médico assistente/pediatra o que se passa, só ele poderá avaliar melhor a situação.

           Quando um bebé bolça, pode recear-se que ele sufoque. Fique tranquila. É pouco provável que isso aconteça, porque os seus reflexos são capazes de manter livres as vias respiratórias. Contudo, se começar a sufocar, deite o bebé no seu colo, com a cabeça mais baixa do que o corpo, dando-lhe palmadinhas suaves nas costas (ajuda a desobstruir a traqueia e a respirar melhor).

Como prevenção saiba que:

  1. Se o bebé bolça sempre depois de mamar, é porque o faz muito depressa. Se ouvir um ruído cada vez que engole, é ar que está a ingerir. Então: incline o bebé num ângulo de 30º durante cerca de 15 minutos, para deixar que a acção da gravidade empurre o leite para baixo. Se, de seguida, puser o bebé direito, o ar sairá sem a companhia do leite.
  2. não deverá forçar o bebé a comer: os bebés são inteligentes, se sente fome certamente comerá. No entanto, deverá diminuir a quantidade ou o tempo de mamadas, aumentando a frequência das mesmas;
  3. deve esperar que o bebé arrote após mamar/comer e antes de ser deitado
  4. pode elevar um pouco a cabeceira da cama do seu bebé: pode pôr uma lista telefónica por baixo do colchão, ou encomendar numa carpintaria um calço para colocar debaixo do colchão;
  5. se o seu bebé estiver a beber leite adaptado poderá, mediante indicação médica, dar um leite anti-refluxo (mais espesso);
  6. deverá evitar que o seu bebé use roupas apertadas (ou fralda demasiado apertada) na zona do estômago.

 

  • Dificuldade em fazer cocó – O seu bebé geme, torce-se, fica corado, ‘faz força’, chora? Mantenha a calma. Durante a vida intrauterina os movimentos intestinais eram ínfimos, os músculos abdominais não estão suficientemente desenvolvidos, daí que lhe seja difícil defecar. Dê-lhe tempo. Se o seu bebé está a ser amamentado com leite materno, muito provavelmente o problema será imaturidade do sistema digestivo, uma vez que o leite materno tem um efeito ‘bifidus’,     que facilita os movimentos intestinais. O leite materno é o leite perfeito, pode ser assimilado quase completamente. Mas então, porque é tão difícil para ele fazer cocó? Muito provavelmente ao mamar, o seu bebé engole muito ar, ar esse que se aloja no trato intestinal, dificultando a descida das fezes; ao ficarem demasiado tempo acumuladas no intestino, as fezes perdem água, tornando-se mais secas, o que torna mais difícil expeli-las. Tudo isto gera dor e desconforto.

Como prevenção saiba que:

  1. deverá verificar se utiliza uma posição de amamentação confortável para si e para o seu bebé, garantindo uma boa pega, diminuindo assim a ingestão de ar;
  2. a mãe deverá estar atenta à sua própria alimentação: poderá estar a ingerir algo que dificulta o processo digestivo do seu bebé;
  3. a mãe pode beber livremente chá de funcho, que ajuda no processo digestivo do bebé. Pode adquiri-lo em farmácias, ervanárias ou grandes superfícies comerciais;
  4. a massagem infantil é um instrumento auxiliar valioso: procure um instrutor certificado. Tenha em atenção que existem muitas massagens a serem vendidas como massagem infantil/do bebé. Confirme se a certificação foi atribuída pela APMI;
  5. no caso do bebé beber leite adaptado (este leite nunca é completamente digerido), fale com o seu médico e experimente novo leite (o que toma poderá estar a dificultar o processo): fale em experimentar o leite sem proteínas de leite de vaca, por exemplo;
  6. se o seu bebé já tem uma diversidade alimentar: na sopa evite a cenoura e substitua-a por abóbora. Evite a banana e maçã (apenas lhe pode dar maçã reineta).
  • Entortar os olhos – O seu bebé parece estrábico, mas não é! Este aparente estrabismo deve-se ao facto de o bebé não conseguir ainda controlar os músculos dos olhos, daí que lhe seja difícil mantê-los alinhados e focados num rosto/objecto. No entanto se os olhos se mantêm tortos permanentemente ou por mais de 3 meses, consulte o seu médico assistente.
  • Pele translúcida – A imaturidade do sistema circulatório e do mecanismo regulador da temperatura corporal gera uma translucidez da pele. A pele tornar-se-á mais opaca ao final de algumas semanas.
  • Zonas moles da cabeça – O processo de ossificação do bebé está em desenvolvimento, daí que, ao tocar na cabeça do bebé, pode notar zonas mais moles (fontanelas), a que vulgarmente se chama “moleirinha”. Daqui a algum tempo os ossos fecharão.
  • Manchas vermelhas – Mais conhecidas como hemangiomas capilares, devem-se à dilatação das veias mais finas (capilares) e a maioria desaparece entre o 1º e o 2º ano de vida. Aparecem principalmente nas pálpebras, testa e cabeça.
  • Pontos brancos no nariz e queixo – Designam-se milia e devem-se à imaturidade das glândulas sebáceas. Não implicam qualquer problema e acabam por desaparecer.
  • Pontos brancos no céu da boca – Designam-se e  pérolas de Etstain e devem-se a um excesso de fibrina. Não implicam qualquer problema e desaparecem ao fim de algum tempo.
  • Chorar sem lágrimas – Não são lágrimas de crocodilo, o seu bebé ainda não produz líquido suficiente para manter a humidade ocular e para ter lágrimas. Com o tempo, esse défice é corrigido.
  • Tem muito pêlo – O lanugo está muitas vezes presente em todo o corpo, até às orelhas. Em poucas semanas desaparece.
  • Come pouco – Não se esqueça que o estômago do seu pequeno bebé é muito pequeno. Amamente o seu bebé sempre que ele pedir. É cansativo para si mas para ele é fundamental, assim ingere o leite que necessita. Não seja rígida com os horários de mamadas, sobretudo nos primeiros 2/3 meses de vida do bebé.
  • Orelhas moles – A cartilagem ainda muito frágil, torna as suas orelhas moles. Em poucas semanas a cartilagem endurece e as orelhas adquirem uma forma mais estética.
  • Umbigo saliente – Nos primeiros dias o umbigo pode parecer inchado, mas com o passar do tempo ( e após o umbigo cair) fica com um aspecto diferente. Se o seu bebé chora muito (cólicas, etc), o umbigo pode também ficar saliente: se ao carregar tiver um ‘aspecto’ mole/líquido em princípio não deve ter razões para preocupações pois acaba por ficar bem após 2/3 anos.
  • Sorriso a dormir – Tratam-se de contracções musculares involuntárias durante o sono. Não faça nada!
  • Soluços – Muitas vezes são sinal de hiperestimulação. Não faça nada, poderá ser contraproducente exagerarmos nas tentivas para o ajudar.

 

Psicóloga Clínica (ISCS-N). Mestre em Aconselhamento Dinâmico (ISMT). Psicodramatista (SPPPG). Instrutora de Massagem Infantil (APMI-IAIM). Instrutora de Massagem nas Escolas (AME-MISP). Formação em Vinculação e Psicopatologia. Docente do Ensino Superior. Orientadora / co-orientadora de teses de licenciatura e orientadora de estágios em Psicologia. Formação em Língua Gestual Portuguesa - nível I.

Latest posts by Helena Eiro Ferreira (see all)